12 de dezembro de 2016

Super Powers – Muito mais que uma coleção de bonequinhos

Alê Nunes

Nota: Em 2015 escrevi este artigo para um outro site. Resolvi revisar e publicá-lo aqui.


1984 foi o ano de Super Powers nos Estados Unidos. Além da famosa coleção de bonecos Kenner, uma minissérie em quadrinhos (com argumento e capas de ninguém menos do que o Rei Jack Kirby) e uma nova temporada do desenho Super Amigos, agora com o título Super Friends: The Legendary Super Powers Show, foram lançadas para deleite dos fãs dos personagens da DC Comics.

A primeira série de Super Powers foi composta por: Aquaman, Batman, Brainiac, Coringa, Flash, Gavião Negro, Lanterna Verde, Lex Luthor, Mulher-Maravilha, Pinguim, Robin, Superman, os veículos Batmóvel, Supermóvel, Lex-Soar 7, e o conjunto Palácio da Justiça.

















A minissérie Super Powers teve cinco edições, desenhadas por Adrian Gonzales, com maior foco nos 12 personagens que faziam parte da primeira série da coleção de bonecos: Aquaman, Batman, Brainiac, Coringa, Flash, Gavião Negro, Lanterna Verde, Lex Luthor, Mulher Maravilha, Pinguim, Robin e Superman, juntamente com seus veículos Batmóvel, Supermóvel, Lex-Soar 7 e o Palácio da Justiça.



Já na televisão, Super Friends: The Legendary Super Powers Show introduzia o personagem Nuclear.


Em 1985 tudo se repetiu:

Uma nova série de bonecos e veículos: Arqueiro Verde, Caçador de Marte, Darkseid, Desaad, Kalibak, Mantis, Nuclear, Parademônio, Sr. Destino, Steppenwolf e Tornado Vermelho. Mais os veículos: Darkseid Destroyer, Kalibak Bolder Bomber e Super Espaçonave.















Uma nova minissérie, em seis edições, escrita por Paul Kupperberg e ilustrada por Jack Kirby.


E uma nova temporada de Super Amigos, The Super Powers Team: Galactic Guardians, dessa vez apresentando Ciborgue, que nos quadrinhos fazia parte do grupo adolescente Novos Titãs.


1986 marcou o final “oficial” da série.

Capitão Marvel, Ciborgue, Cyclotron, Golden Pharao, Homem-Borracha, Orion, Samurai, Sr. Frio, Sr. Milagre, Tyr, Batcóptero e Justice Jogger formaram a terceira série da coleção.













Aparentemente mais dois itens deveriam fazer parte dessa última leva de brinquedos, mas não chegaram a ser produzidos: All Terrain Trapper Vehicle e Tower of Darkness.



Uma terceira minissérie, dessa vez sem o envolvimento de Kirby foi lançada. História de Paul Kupperberg e arte de Carmine Infantino.


Já na televisão, apenas a conclusão de The Super Powers Team: Galactic Guardians, que também foi o ponto final da longeva série Super Amigos, iniciada em 1973.

Importante ressaltar que:

  • A coleção evidenciava o Quarto Mundo, criado por Jack Kirby;
  • Apenas um personagem criado exclusivamente para o desenho Super Amigos ganhou sua versão boneco, o Samurai; e
  • As séries 1 e 2 dos bonecos traziam mini-gibis com os personagens.


Uma figura do Clark Kent fez parte da coleção, mas ao contrário das outras, não poderia ser adquirida nas lojas de brinquedos. Era necessário enviar cinco provas de compra de produtos da coleção para Kenner, que enviaria gratuitamente o boneco.


A marcar Super Powers se tornou uma rentável franquia, licenciada para uma infinidade de produtos.






Existem rumores que a Kenner produziria uma quarta série, e supostas imagens conceituais circulam pela internet. Seriam inseridos mais personagens dos Novos Titãs, bem como seu QG, a Torre Titã, o Morcego-Humano e um veículo para o Coringa.




Aqui no Brasil, em 1986, a Editora Abril lançou a revista Super Powers, que apesar do nome, não tinha nenhuma relação com a minissérie lançada nos Estados Unidos, era uma revista trimestral que trazia a conclusões de grandes sagas ou histórias fechadas/especiais dos personagens DC.


E finalmente chegou 1987, quando a Estrela trouxe a coleção Super Powers para o Brasil. Mas infelizmente não foi completa. Tivemos aqui apenas: Aquaman, Arqueiro Verde, Batman, Brainiac, Capitão Marvel, Ciborgue, Coringa, Darkseid, Flash, Homem-Borracha, Gavião Negro, Lanterna Verde, Lex Luthor, Mulher Maravilha, Pinguim, Robin, Superman, Batmóvel, Supermóvel, Batcóptero e Super Espaçonave.







A coleção brasileira também contou com mini-gibis acompanhando cada figura. Como Ciborgue, Capitão Marvel e Homem-Borracha faziam parte da série 3 dos Estados Unidos, que não tinha mini-gibis, a Estrela produziu localmente as edições desses três personagens.


  
A Estrela também produziu dois jogos baseados na franquia, e a Cromy, um álbum de figurinhas.




Vários outros países licenciaram os Super Powers, sendo que dois deles incrementaram suas linhas com criações próprias.

Na Argentina o Lanterna Verde ganhou uma repintura para virar o Charada.


Na Colômbia, um boneco com o corpo do Superman e a cabeça do Aquaman resultou em El Capitan Ray.


Com a última série de bonecos em 1986, alguns fãs mais habilidosos começaram a customizar novos personagens para suas coleções. Com o advento da internet, vários sites especializados nessas customizações foram criados.

Por volta de 2009 vários “novos” personagens Super Powers começaram a aparecer no ebay. Foram inicialmente apresentados como a “série perdida”, mas posteriormente uma suposta empresa do Cazaquistão, a Industrial Toy Werks, foi identificada como responsável pela produção. Além de personagens da DC, alguns outros foram incluídos na coleção, como o Dragão (Bruce Lee). A origem real desses bonecos continua uma incógnita entre os colecionadores.

Nas imagens abaixo, algumas das figuras da ITW, bem como o verso de uma cartela com toda coleção:





Com a aproximação do aniversário de 30 anos do lançamento dos bonecos Super Powers originais, em 2014, vários novos produtos com a chancela da franquia foram lançados. Dos quais podemos destacar:

Medicom Toy – Bearbricks



Mattel – Edição comemorativa de 30 anos, com bonecos modernos, incluindo o Charada (repintura do Lanterna Verde), Superman Dourado e Mxyzptik.


Figures Toy Company – Bonecos estilo Mego, com roupas “de verdade”.



Kotobukiya – Estátuas na escala 1/10 com os principais personagens da série original.



Gentle Giant – Figuras jumbo, de 12 polegadas e mini figuras de 2 polegadas (que acabaram de ser anunciadas na SDCC 2015).



Apesar da enxurrada de lançamentos nos últimos anos, podemos notar duas coisas:

1 – Nenhum veículo foi reproduzido; e

2 – Nenhuma empresa reproduziu de forma fiel a série original, considerando tamanho, anatomia dos bonecos e número de personagens.

Dessa maneira, acredito que muitos outros lançamentos ainda possam acontecer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário